22.4.11

O nosso Ibirapuera

Injustamente a Quinta da Boa Vista é conhecida (ou prejulgada) como "parque de pobre", "de suburbano", ou qualquer outro termo que refira à algo fora da moda e do sofisticado. Besteira das grandes! Como já havia dito, no Rio de Janeiro, a cultura do parque é pouco valorizada em função da praia, que aquece e refresca os corpos mais necessitados nos dias de calor que nos são comuns. Existe aquela coisa também do que "está fora da Zona Sul" não é bacana - é feio, pouco seguro e cafona. Se é assim que a classe formadora de opinião pensa, estão perdendo! A Quinta da Boa Vista é agradabilíssima, linda e relaxante.

Mapa do entorno do parque
Há tempos que não entrava lá. Logo na entrada, surpreendi-me ao ignorar a história do lugar contada em diversas placas ao longo de suas alamedas. Projetada pelo paisagista francês Auguste François Marie Glaziou (mais popular como Glaziou, como a rua de mesmo nome, em Pilares), o jardim da Quinta da Boa Vista é cheio de curvas sinuosas, altos e baixos, lagos - onde se pode remar e andar naqueles pedalinhos em formato de cisnes. Há também uma pequena, estreita e pitoresca ponte de madeira sobre um dos lagos, além de grutas artificiais. Um dos monumentos que mais se destacam na Quinta é o Pagode Chinês, construído em 1910 e restaurado há pouco tempo, em 2009, já na gestão do prefeito Eduardo Paes. O seu acesso se dá através de suaves degraus margeados por pedras. Era de fato o lugar mais disputado!

Devido ao desnível entre as alamedas, diversas famílias e grupos de amigos se esticavam em grandes toalhas e cangas pelos gramados - lotados de formigas, por sinal. Eu e Fernanda, que me acompanhava (e a quem agradeço pelas boas fotos!), fomos picados de leve, o que não nos tirou o humor. Sem nenhuma cerimônia, cestas, tupperwares e até panelas eram abertas por ali, dando início ao picnic bastante familiar. Acho que só fiz picnic uma vez na vida, em Paquetá, quando criança. Depois, nunca mais. Pelo o que vi pela Quinta, os visitantes adeptos a isto pareciam ter experiência, já que traziam quase a cozinha inteira de casa. Bom... era mais como forma de ajeitar tudo da melhor forma possível no final, sem deixar sujeira, do que simplesmente festejar ou causar balbúrdia. O ambiente é bem familiar, eu garanto!

Por trás do belo casario onde funciona o Museu Nacional, há uma alameda gastronômica bastante da popular e típica. São diversas carrocinhas de cachorro-quente, churrasquinho, doces e balas, entre outros sanduíches. Sem contar os isopores cheinhos de gelo e refrigerantes - nesse dia me resfresquei com um guaraná natural dos meus preferidos! Muitos artistas de rua se embrenhavam em meio aos brinquedos coloridos de plástico vendidos por simpáticos ambulantes, enquanto famílias inteiras pedavalam aqueles bicicletões típicos da Avenida Atlântica aos domingos. 

Contabilizando... passamos 3 horas e alguns minutos lá, assim, de bobeira, sem pensar na vida, curtindo, relaxados, o frescor de um lugar pouco divulgado e de tão fácil acesso. Fica a dica, meu amigo - a Quinta da Boa Vista é o nosso Ibirapuera. 

Quinta da Boa Vista
Entrada pela Rua General Herculano Gomes ou pela Avenida Rotary Internacional.
Metrô/Trem: Estação São Cristóvão.
Alguns dos ônibus que passam por ali ou perto (Radial Oeste): 434 (Grajaú-Leblon), 435 (Grajaú-Gávea), 436 (Grajaú-Leblon, Via Rebouças), 460 (São Cristóvão-Leblon), 461 (São Cristóvão-Ipanema), 463 (São Cristóvão-Copacabana), 232 (Praça Quinze-Lins), 247 (Camarista Méier-Passeio), 249 (Água Santa-Carioca), 254 (Praça Quinze-Madureira), 268 (Praça Quinze-Rio Centro), 284 (Praça Seca-Tiradentes), 665 (Saens Peña-Pavuna).

6 comentários:

Tirando Onda disse...

Seus posts são excelentes, continue mostrando mais a história do bairro, pq tem muita coisa boa para mostrar.
Já recomendei para meus amigos.
Parabéns!

Nina disse...

adoro a quinta. o pagode foi restaurado na parceria da prefeitura com a rjz cyrela. faz tempinho que nao vou e olha que daqui tem inumeras opcoes de chegar, prefiro o trem que é mais rapido.

Nina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nina disse...

ih faltou algumas linhas como o 260 Vila Valqueire - Praça XV, 383 Tiradentes - Realengo, 391 Carioca - Padre miguel, 267 Gardenia - Praca XV, 266 Cidade de Deus - Rodoviaria, uns intermunicipais, agora nao to me lembrando de mais

Flora Maria disse...

Olha, eu já tinha esquecido como a Quinta é bonita !!! Na realidade, estive poucas vezes lá, mas lembro quando, ainda criança, para entrar no Zoológico tinha que passar por uma "cancela" que determinava se entraríamos de graça ou pagaríamos o ingresso. E o museu e sua surpreendente múmia egipcia ?

Gostei de rever, em tão belas fotos, esse lugar imperial.

Ivo Korytowski disse...

A Quinta é um parque muito bonito, afinal é a nossa Versalhes!