22.6.09

Rua Grajaú: bucolismo na Zona Norte

O Pico do Papagaio visto através da Rua Grajaú, na Z. Norte
Para inaugurar o blog, fotografei neste fim de semana a Rua Grajaú, no bairro de mesmo nome, o Grajaú, na Zona Norte. O dia estava bem agradável, ensolarado e com ventos frescos, o que me garantiu bons flashes. Pude, além disso, observar o entusiasmo dos moradores do bairro que percorriam a rua no seu jogging matinal ou no passeio com cães. Crianças, em abundância, passavam por lá em bicicletas e patinetes. A concentração dessa turma de passantes, vale ressaltar, ficava logo ali perto, na Praça Edmundo Rego (que comentarei e postarei fotos em outra oportunidade), onde aos domingos é fechada para área de lazer, o que a torna bastante movimentada e alegre.

Não só a Rua Grajaú, mas como a maioria das ruas do bairro em geral são bastante propícias para a prática de atividades físicas. Sem mencionar que o grande número de árvores plantadas ameniza bastante a temperatura local, ainda mais agora neste comecinho de inverno. Este climinha bom, em conjunto com as simpáticas casas e pequenos edifícios instalados por lá, transforma não só a ginástica, mas até uma simples caminhada em uma grande e agradável distração. Outro ponto, além disso, que facilita a atividade de pedestres é o baixo fluxo de trânsito na rua. Sem buzinas e ruídos, apenas transitam os carros dos moradores e alguns poucos automóveis de fora.

Um aspecto bem peculiar da Rua Grajaú são os jardins das calçadas. Alguns bem cuidados, outros nem tanto, o que simboliza um pouco o retrato da decadência do bairro nos últimos anos. Por outro lado, o que vale mesmo é que eles existem e, tratando-se de Rio de Janeiro, tem sido um tanto quanto raro avistar tais jardins, visto que as calças hoje em dia ou estão tomadas por carros ou por moradores de rua.



Residências na esquina da Grajaú com a Avenida Júlio Furtado: pichações.

Uma lástima sofrida pela Rua Grajaú em alguns trechos é o problema das pichações. Ao longo da via, há casas belíssimas cujos muros e fachadas, infelizmente, foram rabiscadas por vândalos, como é o caso de uma residência na esquina da Grajaú com a Avenida Júlio Furtado.

Travessa Araxá: rua privativa.
A Rua Grajaú, no seu final, junto à esquina com a Rua Canavieiras, passa a ser uma rua fechada por cancela, como pode ser conferido na foto ao lado. Também como proteção contra a violência, a Travessa Araxá, uma pequena rua de casas transversal à Grajaú, foi além da cancela e da guarita: não sei há quanto tempo, mas hoje essa simpática ruazinha é fechada com portão em suas duas entradas. Uma pena, porque uma rua tão bonita e "enclausurada" em um bairro igualmente tão aprazível como Grajaú é quase um pecado. Entretanto, a violência tá aí e dela temos que nos proteger! Não tem jeito...

Outro grande atrativo não só da Rua Grajaú, mas também do bairro como um todo, é o Pico do Papagaio, ou Pedra do Andaraí, como também é conhecido. Essa imponente rocha pode ser avistada de longe, principalmente quando se está na Linha Vermelha e Amarela. Certa vez, um amigo, desinformado naquele momento, enquanto estávamos cruzando a Linha Vermelha, chegou a perguntar-me se esta era a Pedra da Gávea. Foi uma situação engraçada, afinal, a Pedra da Gávea localizar-se na vertente norte do Maciço da Tijuca é meio absurdo. No entanto, o que se pode dizer é que o Pico do Papagaio está para o Grajaú assim como a Pedra da Gávea está para São Conrado e Gávea. Ou, até mesmo, como o Pão de Açúcar está para a Urca. De fato, é uma atração à parte nesse trecho da Zona Norte.

Como um todo, a Rua Grajaú é predominantemente residencial, embora esteja bastante próxima ao comércio, sobretudo no trecho entre as ruas Barão do Bom Retiro e Gurupi. Inclusive, há alguns poucos anos, existia nesse trecho uma filial do supermercado Pão de Açúcar, hoje transformado em Igreja Universal. O pouco comércio que restou espraia-se em direção ao Pico do Papagaio, sendo os mais relevantes a franquia da Curves (academia para mulheres) e o aclamado Bar du Bom, na esquina da Rua Canavieiras.

(texto revisado em 21/03/14)


15 comentários:

Rodrigo Beltrano disse...

Fala, Pedrão! as fotos ficaram iradas mas eh bom vc ir colocando algo menos elitista ae rsrs abraco rapa

EASY LISTENING & OTHER DELIGHTS disse...

Don Pedro
Lendo "en passant" o seu Blog, achei-o muito original e contendo belas fotos. Pretendo acompanhar a evolução deste Blog mas confesso ter ficado um pouco decepcionado por não ter encontrado a "Travessa Três Rogérios". Espero que esta importante via da Tijuca ganhe destaque num futuro "post".
Eldo (Jundiaí-SP)

Gustavo disse...

O bairro do Grajaú é mto bom! Parece uma cidade do interior, um dos poucos bairros onde predominam-se casas, e muito bonitas.

Vários filmes e novelas tem filmado no Grajaú por causa disso e também pela tranquilidade.

o problema do bairro é o acesso, se tivesse um metrô eu estaria por aí muito mais vezes. Além disso a Barão de Mesquita parece nem fazer parte do Grajaú, pois não vemos uma árvore nesse trecho.

Outro problema do bairro é a violência, por serem pouco movimentadas, as ruas tornam-se perigosas de noite. Falta uma dessas ações de pacificação no morro dos macacos!

Espero ver fotos da Tijuca em breve.

Ornella Gurgel disse...

opa!
parabens hein amigo!
muito singular e criativa essa sua ideia.
Conciliar seus hobbies num lugar só: fotografar e escrever sobre o que gosta!
Boa sorte...que tenha muita audiencia aki! hahahha

Pro proximo post vem tirar umas fotos do Engenho Novo!
Esse bairro magnífico que você sabe o porquÊ!

beijaoo

Pedro Paulo Bastos disse...

Hahahahaha... ok!

Cris disse...

Fala Pedro, adorei a imagem do site, tá ótimo! Poxa, eu não consigo por PS aqui pra fazer algo mais elaborado no meu :(

Olha, adorei as fotos e as propostas em breve vou te mandar umas pautas heheehe

Outra coisa, as fotos estão ótimas. O Rio, assim, paralisado pelas lentas de uma câmera é tão maravilho!!! Ruim só qd a população de rua começa a se movimentar kkkkkk
bjs

Luiz Gustavo Kahn disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiz Gustavo Kahn disse...

Sera que fui eu o amigo que na Linha Vermelha perguntou se o Pico do Papagaio era a Pedra da Gavea? Pode dizer Pedro, to preparado para pagar esse mico publicamente...

Anônimo disse...

Oi, Pedro, td bem?! Pois é! Vim parar aqui através de algumas buscas de fotografias deste meu antigo e saudoso bairro do Grajaú! Quantas lembranças, amigos, clubes, festas, morros, verões, enfim, deste imenso playground que era este bairro! Vivi momentos inenarráveis e fui muito feliz aí... e cooomo!!! Bem vou levar comigo algumas fotos, se vc não se importar, ok?!
Abraços e tudo de bom!
Glória Müller

Obs: ah, eu morei na rua Visc. de Sta. Isabel 632( em frente à canavieiras)... e como foi bom!!!

Sonia H. disse...

Pedro,
Encontrei o teu blog através de outro blog amigo, o qual não me recordo mais qual foi - porém conhecer o teu espaço na blogosfera foi uma bela e grata surpresa.
Serei freqüentadora assídua.
Belas fotos e narrativas!
Parabéns!

Marco disse...

Lindas fotos e belo trabalho sobre o Grajaú, gostaria de difidir meus conhecimentos do Grajaú com sua pagina.No seu comentário sobre travessa Araxá fechada tem um engano sobre Rua fechada, na verdade ela não é uma rua publica e sim um condomínio que foi fechado realmente para sua segurança, o endereço correto e Rua Araxá 735 com saída pela Rua Grajaú.Infelizmente neste local esta entrada de serviço fica lotada de carros estacionados escondendo tão simpático condomínio .Nosso bairro esta abandonado pela CETRIO, nele temos ruas fechadas onde segurança impede entrada de pessoas para estacionar seus carros o que e proibido, cancela foi permitida para pessoas se identificarem e não virar propriedade particular, sem lei onde se pode estacionar em cima das calçadas e por ai vai.

monica b b disse...

Me identifico com muitas das coisas que você postou no seu BLOG .
Muito bem , de continuidade ao seu trabalho .
Um abraço ,
Mônica

Pedro Paulo Bastos disse...

Marco, obrigado pela informação sobre o condomínio fechado. Aliás, em junho, quando eu estava fotografando esta área do Grajaú, eu cheguei a perguntar sobre o histórico dessa rua a alguns moradores, mas não consegui obter as informações necessárias para validá-la.
Aos outros, obrigado pelos sinceros elogios e pela força!

Wladimir Loureiro disse...

Parabéns ao autor,
suas fotos mostram bem como, no local, apesar dos prédios, ainda há lugar para árvores e jardins.

Pena que nem tudo no Graj sejam flores e jardins, as cancelas são puro neonazismo e roubo do espaço público.
Sou morador da tríplice fronteira, que é a divisa entre o Graj, o Andaraí e a Vila. Ali entre o Verdun, o Guanabara e o recanto do Trovador, e fico imaginando esses seguranças das ruas públicas roubadas por particulares tomando os passantes, flaners e poetas por meliantes.

Concordo plenamente com o autor deste blog que a cidade é um espaço de contemplação.
abçs.

Atelier Regina Gomes disse...

Olá Pedro. Pois é... com relação a Travessa Araxá, no passado nós (os jovens da época) "cortávamos" caminho por ali, a fim de chegarmos na Rua Grajaú. Foi uma pena mesmo ter sido fechada e se tornado um condomínio. Ela ficou , ao meu ver, igual a Rua Leblon (gosto muito dela também).
Quanto a CETRIO, de fato, não fazem absolutamente nada (ou melhor, talvez algumas 2 vezes por ano)e os carros continuam estacionados em locais proibidos, muitas vezes exatamente abaixo de placas de "proibido estacionar", e outros tantos em cima das calçadas (com as 4 rodas), impedindo a passagem de carrinhos de bebê, de cadeiras de rodas e as vezes até dos pedestres, tal ousadia de "grudar" nos muros, inclusive.
Perigo nas ruas ? Mas é claro que tem. E quem disse que é somente aqui no Grajaú? o RJ está assim, porém com a instalação das UPP's todo o RJ melhorou.